Partilhar  Versão para impressão  Correio Electrónico

Outras traduções

Argentina - Comprar e vender

Contents extracted from the comprehensive atlas of international trade by Export Entreprises

Atrair a Atenção dos Consumidores

Oportunidades de Marketing

Comportamento do consumidor: Os consumidores argentinos valorizam a entrega ao domicílio e o serviço pós-venda. Preferem reparar os seus bens antigos do que comprar novos. Assim, o comércio das peças sobresselentes para aparelhos domésticos um sector em ascenso. Os Argentinos do mais valor aos produtos nacionais, uma vez que os bens importados são frequentemente três vezes mais caros. Após a crise de 2001-2002, os Argentinos reorientaram as suas compras para submarcas e ofertas especiais para pouparem dinheiro. Porém, em certas áreas geográficas, os consumidores mais prósperos revelam uma tendência para aceitar preços mais altos. Do mesmo modo, os nomes de grandes marcas são escolhidos pela sua garantia de segurança, pela qualidade com que os seus produtos são feitos, etc. Os jovens ficam presos imagem de marca do produto, embora prestem atenção do preço. A chegada dos produtos chineses e brasileiros no mercado fez renascer o consumo dos aparelhos domésticos.  
Perfil do consumidor: O consumidor argentino racional e conservador. Desde a crise económica, tornou-se mais consciente, mais selectivo e mais reticente em relação aos novos produtos. De um modo geral, os Argentinos no são muito fiéis s marcas.  
Principais agências publicitárias:

Rede de Distribuição

Evolução do sector: A modernização e reestruturação das redes de distribuição, que começou nos anos 80, acelerou com a implementação de um plano de estabilização. O lugar cada vez mais ocupado pela distribuição em massa levou a uma grande redução no comércio a retalho. O desenvolvimento da distribuição em massa levou os fornecedores a adaptarem-se s exigências, especialmente em relação s tarifas que lhes são impostas. Por outro lado, a distribuição em massa está muito pouco desenvolvida na distribuição de serviços, desporto, mobiliário e encomendas por correio, que estão pouco ou nada desenvolvidos. As vendas nos supermercados da Argentina aumentaram cerca de 22,8% em 2007. A facturação que tem em conta os efeitos da inflação foi de cerca 1,2 mil milhões de dólares. Os preços aumentaram cerca de 10,9% durante este período.
Tipos de pontos de venda: A distribuição em massa na Argentina dominada pela empresa francesa Carrefour que apresentou este novo tipo de loja ao país no início dos anos 80. Entre os 7 líderes encontram-se 2 cadeias locais, Coto e La Anónima, seguidas pelo grupo holandês Ahold.
 Surgiram novos intermediários para negociar com a distribuição em massa, ensombrando os grossistas tradicionais.
 Ao mesmo tempo, desenvolveu-se um novo tipo de grossista distribuidor: comerciantes que, ao procurar produtos por todo o mundo com o preço mais baixo, permitem aos grandes distribuidores implantar operações promocionais. O Carrefour e o Norte em conjunto representam 30% da quota de mercado com 200 lojas, o Jumbo e o Disco 23% com 233 lojas e o Coto 16% com 102 lojas.

Procedimentos de acesso ao mercado

Cooperação económica: Membro fundador do Mercosur
Associacao Latino Americana da Integracao (ALADI)
rea de Livre Comercio das Americas) (FTAA)
 O país assinou um acordo comercial com outros 21 países na Ronda em São Paulo do Sistema Global de Preferências Comerciais entre Países em Desenvolvimento (GSTP).
Barreiras não relacionadas com as pautas aduaneiras: A Argentina membro do MERCOSUR(Mercado Comum del Sur, que junta a Argentina, o Brasil, o Paraguai, o Uruguai e a Venezuela), cujo objectivo criar uma área de livre comércio, uma tarifa comum e uma área de livre circulação de bens, serviços, capitais e pessoas. Os impostos aduaneiros entre os países membros foram teoricamente abolidos em 1994, com muitas excepções, porém, de acordo com o Regimen de adecuacion (em espanhol) (Regime de Adaptação). Determinados produtos estão protegidos, como o açúcar, têxteis, ao, automóveis e peças para automóveis. Esta protecção aplicada através de restrições aduaneiras e de elevados impostos aduaneiros.
Direitos aduaneiros médios (excluindo produtos agrícolas): As transacções realizadas no Mercosur estão isentas de impostos, salvo diversas excepções.
 As tarifas aduaneiras são aplicadas aos bens provenientes de fora do Mercosur e situam-se entre os 5% e os 14% na maioria dos casos.
 Quando as empresas importam ferramentas industriais para sua própria utilização, estas podem ficar isentas de imposto de importação.
 A política aduaneira deve ser tratada com cuidado, uma vez que o país aplica as recomendações da instituição central mais ou menos de acordo com a sua situação económica. também de notar que a reexportação dentro do Mercosur no lhe concede o direito isenção de impostos: portanto, se exportar um produto para a Argentina para o vender no Brasil, ter de pagar tanto o imposto argentino como o brasileiro.
 Além disso, para evitar a sub-facturação das empresas, os Serviços Alfandegários argentinos têm o direito de aplicar um valor predefinido para o cálculo do imposto aduaneiro. Estes valores de referência no estão publicados, nem estão os critérios que permitem a sua definição.
Classificação alfandegária : A Argentina aplica o Sistema Aduaneiro Harmonizado.
Procedimentos de importação: Os regulamentos em vigor na Argentina estabelecem que, para efectuar uma transacção comercial internacional, necessário estar-se registado como importador ou exportador nos Serviços Alfandegários Argentinos. O registo obrigatório feito através de uma "chave de identificação fiscal nica" na Direccao-Geral dos Impostos.
 Para um determinado número de produtos, há um procedimento de licenciamento automático ("formulário informativo") que permite oficialmente s autoridades argentinas identificar os possíveis problemas quando os produtos são importados. Esta licença diz respeito a cerca de 600 produtos diferentes.
 Os Serviços Alfandegários (que estão na dependência do Ministerio das Financas e da Economia) possuem um bom sistema de classificação, que define se os produtos têm ou no de ser inspeccionados quando entram na Argentina.
 - Procedimento verde: O despacho aduaneiro ocorre sem qualquer inspecção física.
 - Procedimento laranja: Apenas a documentação inspeccionada.
- Procedimento vermelho: Os bens e documentos so inspeccionados (por exemplo, txteis).
 Deve também ser apresentado ao Ministro da Indústria um formulário a declarar a quantidade e a composição da carga, 10 dias antes do despacho aduaneiro.
Website das Alfândegas: Aduana Argentina

Organização do Transporte de Bens

Organização do transporte de bens da origem para o destino e vice-versa: O transporte de bens (nacional e regional) na Argentina dominado pelo transporte rodoviário. A rede rodoviária abrange praticamente todo o país. Porém, 60% da rede está em más condições. Foi o meio utilizado para 74,8% dos transportes em 1995, em comparação com os 86% em 1990.  

O transporte internacional de bens para fora do Mercosur dominado pelo transporte marítimo. O porto de Buenos Aires concentra 60% do tráfego portuário.
 São transportados 313 milhões de toneladas de bens por ano. 25 milhões de toneladas transitam por caminhos-de-ferro e 0,15 milhões por ar.

Empresas de transporte marítimo:
Empresas de transporte ferroviário:

Listas Comerciais Nacionais

Copyright © 2016 Export Entreprises SA, Inc. All Rights Reserved.
 Partilhar  Versão para impressão  Correio Electrónico
ComentáriosAvaliações (0)
If you are a human, do not fill in this field.
Clique nas estrelas abaixo para avaliar este item
   Os comentários serão truncados para 1000 carácteres